Defesa

Simers constata problema na estrutura de atendimento da UPA de Viamão

29/11/2019

Em vistoria realizada nesta quarta-feira (27/11) na Unidade de Pronto Atendimento de Viamão, o Simers constatou um cenário preocupante. Entre os problemas verificados está a falta de médicos e de medicamentos na unidade, que está, há uma semana, com seu laboratório desativado.

No momento da visita da entidade médica à unidade, quatro clínicos atendiam aos pacientes, quando a escala ideal deveria contar com cinco profissionais. Além disso, nenhum pediatra atua na UPA, o que causa insegurança entre os médicos da unidade.

“Os problemas de estrutura comprometem a assistência oferecida à população de Viamão e fragiliza os médicos, que respondem pelo atendimento em condições adversas”, afirma o secretário geral do Simers, Marcos Rovinski, que visitou a UPA.

Falta de medicamentos

Um das preocupações dos profissionais é com o número de medicamentos em falta na farmácia da unidade. Dicoflenaco, Cetoprofeno, Diazepan, Buscopan Composto e Prometazina são algumas das drogas que não estavam disponíveis nesta tarde na unidade. Segundo os médicos, a cada dia a relação de medicamentos em falta aumenta.

Mudança na gestão

Também causa insegurança entre os profissionais que atuam na unidade a iminente mudança na gestão da unidade. Atualmente, a UPA é gerenciada pela empresa Lagos Rio. Porém, seu contrato se encerra no dia 18 de dezembro e ainda não há sinalização do que acontecerá a partir desta data. Há o temor, inclusive, de que a transição na gestão prejudique a reposição de medicamentos e de outros materiais essenciais para o atendimento na unidade, além do formação da escala de profissionais.

Confira o relato do diretor do Simers, Marcos Rovinski:


SEGUROS