Defesa

Simers atua em várias frentes no caso da agressão à médica de Pelotas

05/06/2020

A violenta e covarde agressão contra uma médica obstetra de Pelotas, no último dia 29 de maio, provocou uma mobilização intensa do Simers a respeito do caso. Nos últimos dias, a entidade médica promoveu uma série de ações jurídicas, políticas e de mídia para acompanhar, aprofundar e divulgar mais esse caso de violência contra um profissional da saúde. O lamentável episódio ganhou repercussão estadual e nacional. 

Na próxima semana, o Simers irá a Pelotas para uma série de reuniões. A intenção é reunir-se com integrantes da Câmara Municipal, com a reitoria da UFPel e com os médicos, além de entrevistas na imprensa local. O caso continuará tendo uma atenção especial do Simers, que deverá lançar, nos próximos dias, uma campanha contra a violência a profissionais de saúde. “Trata-se de um caso de violência absurdo e covarde. A médica agredida acaba defendida, pois foi a vítima desse processo. Mas nossa defesa é da Medicina e dos profissionais de saúde no exercício de suas funções, contra agressões que são inadmissíveis por si só, e não devem ser toleradas”, afirmou o Diretor de Interior do Simers, Fernando Uberti.

Ações do Simers

No dia seguinte ao ato, o Simers disponibilizou, em suas redes sociais, uma nota de repúdio contra a grave agressão. Além de ser enviada à imprensa de todo o Estado, a manifestação foi compartilhada pelos médicos, que reforçaram a contrariedade da entidade médica com esse ato. No início da semana, o mesmo texto foi veiculado em forma de Apedido em dois jornais de Pelotas – Diário Popular e Diário da Manhã – e um jornal de circulação estadual – Correio do Povo. Confira aqui o Apedido:

Nas rádios de Pelotas, o Simers também manifestou seu repúdio veemente contra esse ato de violência. O Diretor de Interior, Fernando Uberti, concedeu entrevistas para as rádios Pelotense e Universidade FM (nesta, no programa Pelotas 13 Horas). Ainda um Minuto Simers foi veiculado durante toda a semana em três rádios da cidade (as duas já citadas e também na Rádio Cultura). Ouça aqui o Minuto Simers:


O caso ganhou repercussão estadual e nacional. Além dos veículos locais de imprensa, a agressão contra a obstetra foi notícia em telejornais de Porto Alegre (com abrangência estadual) e de São Paulo (com alcance nacional). Confira a manifestação do diretor Fernando Uberti para o telejornal SBT Brasil, do SBT: 

Na esfera jurídica, o Simers também atuou forte nesse caso. Além de prestar toda a assessoria jurídica à médica agredida, a entidade médica encaminhou uma série de ofícios, para diversos órgãos, com demandas específicas. Foram enviados pedidos para: Prefeitura Municipal, Ministério Público do Trabalho, Ministério da Saúde, governo do Estado, Polícia Federal, Reitoria da UFPel e EBSERH, com demandas específicas às áreas de atuação dessas instituições. A entidade também está disponibilizando a assessoria jurídica terceirizada na área criminal para a médica.

No âmbito político, o Simers promoveu, na quarta-feira, uma reunião online com a prefeita de Pelotas, Paula Mascarenhas, e com a secretária municipal de Saúde, Roberta Paganini. No encontro, o diretor Uberti e a diretora-adjunta de Interior, Daniela Alba, informaram à prefeita sobre as atitudes tomadas pelo Simers em relação ao caso. Também foram discutidas ações em comum entre a entidade médica e o Executivo pelotense. “Acho que isso precisa ser denunciado, para que a sociedade fique mais atenta. A violência não leva a lugar algum. Esse caso serve de alerta para que os hospitais se organizem e que isso não volte a ocorrer”, disse a prefeita.

No mesmo dia, circulou nas redes sociais e na imprensa um vídeo da gestante e de seu marido, agressor da médica, criticando a atuação da obstetra. A resposta do Simers veio de forma direta, com uma fala contundente do diretor Fernando Uberti. A manifestação ganhou destaque em um telejornal de veiculação estadual. Confira a matéria veiculada no Jornal do Almoço, da RBS TV: 



Na quinta-feira, três encontros virtuais debateram novamente o assunto. No primeiro, os diretores Uberti e Daniela, acompanhados dos assessores políticos e jurídicos, tiveram conversa com a superintendente do Hospital Escola UFPel/EBSERH, Samanta Madruga. Foram abordadas questões envolvendo a segurança dentro do hospital, a fim de evitar que futuras ocorrências semelhantes aconteçam, e ações concretas nesse sentido foram solicitadas ao hospital. Foi garantido que serão instalados um sistema remoto de segurança e outras medidas de maior controle de identificação de pacientes, avaliação e suporte psiquiátrico a acompanhantes de pacientes, além da possibilidade de contratação de profissionais especializados em segurança para atuarem na instituição. 

O segundo encontro foi promovido pela Comissão de Saúde da Câmara Municipal de Pelotas. A diretora Daniela Alba e o delegado regional de Pelotas, Paulo Barragan, representaram a categoria médica na reunião, que buscou ampliar o diálogo na busca de soluções.

A terceira reunião virtual ocorreu com a delegada titular da Delegacia da Mulher de Pelotas, Márcia Chiviacowsky. Os diretores Uberti e Daniela, além do delegado Barragan, pediram informações a respeito do inquérito que foi aberto para apurar a agressão à médica, e apuração ágil do caso. O Simers também solicitou acesso ao inquérito, que está próximo de ser concluído.

SEGUROS