Defesa

Sem acordo, greve é mantida em Cachoeirinha

11/04/2017

Votação assembleia Cachoeirinha
Greve foi mantida após reunião. Foto: Divulgação/SIMERS


Pela primeira vez nos 37 dias de greve, o prefeito de Cachoeirinha, Miki Breier (PSB), e o vice-prefeito, Mauricio Medeiros (PMDB), receberam os representantes dos servidores do município, entre eles o Sindicato Médico do Rio Grande do Sul (SIMERS). Apesar disso, o encontro realizado na manhã desta terça-feira (11), na sede da prefeitura, não alterou o status da mobilização que segue reivindicando a revogação do pacote que retira direitos dos trabalhadores – aprovado na Câmara de Vereadores em fevereiro.

A expectativa de negociação foi frustrada pela reapresentação de uma proposta do governo municipal que já havia sido apreciada pela comissão de greve e rejeitada por unanimidade pelos municipários, em assembleia realizada no dia 10 de março. Os trabalhadores consideraram a oferta um deboche ao movimento e aos servidores, pois o texto, embora se mantenha quase inalterado, ainda exclui item referente ao Centro Municipal de Atendimento Educacional Especializado Lampadinha (Cmaeel).

Para o SIMERS, é equivocado o discurso dos gestores em relação ao corte de gastos com a folha de pagamento dos 3.500 funcionários, enquanto cargos políticos são mantidos com altos salários e exigência mínima de conhecimento técnico. Medeiros instigou a comissão de greve a apresentar uma contraproposta que compensasse os gastos da prefeitura, mas o SIMERS advertiu que a gestão pública é responsabilidade do governo municipal e o funcionalismo não pode ser encarregado de responder pelos deveres do prefeito e do vice-prefeito.

Em votação, os trabalhadores decidiram que só voltam a negociar com a intermediação da Delegacia Regional do Trabalho (DRT) e do Ministério Público. Uma reunião com os órgãos ocorrerá na próxima quinta-feira (13), em Porto Alegre.

SEGUROS