Defesa

O perigo de procedimentos dermatológicos nas mãos de profissionais sem formação médica

31/08/2018

Por seu alto risco, os procedimentos estéticos que alteram a integridade dermatológica só podem ser realizados por profissionais com formação médica. É o caso, por exemplo, da aplicação da toxina botulínica, popularmente conhecida como botox, e dos peelings químicos, que destroem as camadas mais superficiais da pele. Porém, muitos pacientes desavisados dos riscos têm sido expostos a esses perigos sem o adequado acompanhamento médico. Além de fazer o alerta, o Simers realiza uma força-tarefa jurídica para questionar todas as instituições de ensino, entidades ou profissionais que fomentam a prática irregular da dermatologia.

“Estamos movendo uma série de ações judiciais para resguardar o ato médico e garantir a proteção de quem busca esse tipo de serviço”, explica o presidente do Simers, Paulo de Argollo Mendes.

Parceria com a Sociedade Brasileira de Dermatologia


O esforço é empreendido em conjunto com a Sociedade Brasileira de Dermatologia (SBD). Uma das ações judiciais tem como alvo o Núcleo de Estudos em Estética Ana Carolina Puga, mais conhecido pela sigla “Nepuga”. Em seu site, a instituição oferece “capacitação rápida” em procedimentos como aplicação de botox, preenchimento, modulação hormonal e ozonioterapia, entre outros. O calendário da Nepuga também prevê o início de pelo menos sete cursos de “pós-graduação” na cidade de Porto Alegre entre o final deste mês e o início de setembro.

Não está descartada a parceria com outras sociedades médicas para coibir a oferta irregular de procedimentos nas demais áreas. “Havendo denúncias, o Simers agirá prontamente para investigá-las. Sempre que existe a possibilidade, recorremos à Justiça”, reitera Argollo.
SEGUROS