Defesa

Médicos municipários de São Leopoldo deflagram estado de greve

27/07/2017

Assembleia dos médicos municipários de São Leopoldo
O estado de greve foi aprovado pelos presentes. Foto: Divulgção/SIMERS


Diante do descaso da administração pública com a assistência à saúde em São Leopoldo, os médicos municipários, que seguem em assembleia permanente, decidiram entrar em estado de greve na noite de quarta-feira (26). A principal denúncia é a falta de condições para o exercício da medicina, que expõe profissionais e pacientes.

A decisão não afetará por ora os serviços prestados, tampouco a jornada de trabalho realizada pelos servidores, mas os médicos aguardam uma solução para a questão no curto prazo.

Inúmeros problemas



De acordo com os relatos, existem unidades que operam há anos sem a existência de extintores de incêndio, enquanto em outras faltam até mesmo materiais básicos, como esfigmomanômetro, otoscópio e toalha de papel.

Outro problema frequente é a demora na realização de exames, que dificulta a resolutividade do serviço prestado. Além disso, desde o mês de março os médicos sofrem com o parcelamento dos salários, sem qualquer perspectiva de mudança.

O diretor do Sindicato Médico do Rio Grande do Sul (SIMERS) Willian Adami destaca que o objetivo da deflagração do estado de greve é chamar a atenção para os graves problemas enfrentados na área da saúde em São Leopoldo.

“Trata-se de uma realidade que afeta a população e também representa um desrespeito ao serviço prestado pelos médicos do município. As cobranças surgem a todo o momento, mas não há uma contrapartida por parte do município em oferecer melhorias”, enfatiza.

SEGUROS