A Luta

São Leopoldo: Simers debate soluções para Hospital Centenário

11/01/2019

Na tarde desta quinta-feira (10) ocorreu a primeira reunião do ano da mesa permanente de negociação do Hospital Centenário, de São Leopoldo, instituída em agosto de 2018. No encontro, que aconteceu na própria instituição, representantes do Simers, Sindicato dos Enfermeiros (Sergs), SindiSaúde e administração da casa de saúde estiveram presentes para debater soluções para os problemas do local. 

Durante o encontro, o diretor do Simers Eduardo Dias abordou o atual fluxo de solicitação de parte dos medicamentos utilizados na emergência. Conforme ele, o processo faz com que a qualidade do trabalho seja prejudicada. “No Centenário, a prescrição médica precisa ser refeita pelos técnicos de enfermagem para a solicitação de frascos que não estão disponíveis na farmácia da emergência. Então, o técnico se ausenta do posto de trabalho, e ainda precisa – além de fazer a solicitação - ir até a farmácia central do hospital. Isso prejudica o nível da assistência”, explicou Dias. 

Pautas com encaminhamentos avançados, como a reformulação dos intervalos no curso das jornadas médicas – dez minutos de descanso para 90 trabalhados – foram lembrados na mesa.  “Além das pautas discutidas previamente, a nova diretoria do Simers traz para a mesa outras reivindicações para o debate. O ano será de bastante trabalho, mas estamos preparados”, afirmou Dias. Uma nova reunião está agendada para o dia 14 de fevereiro.



Retirada de profissionais

Outro ponto debatido foi a tentativa de retirada de profissionais em áreas como a pediatria por questão de custos, sinalizada pela administração do Centenário. Para o diretor do Simers, é necessário procurar outras alternativas para o problema. “O hospital afirmou que o plano seria retirar um dos médicos da emergência pediátrica, por exemplo. É um expressivo risco de desassistência. Precisamos chegar em outra conclusão que não traga riscos para a população”,  analisou o dirigente. 


SEGUROS