Médico

Pesquisa revela como brasileiros avaliam o SUS e mapeia prioridades para melhorar a Saúde no país

04/07/2018

Apesar de seus problemas, os brasileiros defendem que o Sistema Único de Saúde (SUS) seja mantido como um modelo de assistência universal, integral e de acesso gratuito, como consta em seus princípios legais. É o que aponta pesquisa realizada pelo Instituto Datafolha, a pedido do Conselho Federal de Medicina (CFM).

Ainda assim, são muitos os desafios para garantir que as diretrizes do SUS sejam parte da prática diária de atenção ao usuário. Em um ano que é de eleições, veja no infográfico quais são as principais medidas a serem adotadas pelos políticos que vencerem o pleito, segundo os entrevistados do estudo.

infográfico com base em pesquisa do CFM

Problemas persistentes


A pesquisa aponta também que, para 83% dos entrevistados, os recursos públicos não são bem administrados. Em paralelo, 62% afirmam que o SUS não tem gestores eficientes e bem preparados.

E o sentimento da falta de qualidade na gestão não é apenas uma impressão. De acordo com pesquisa da Organização Contas Abertas, a União deixou de aplicar R$ 174 bilhões na saúde ao longo dos últimos 15 anos. O valor é equivalente a 11% daquele que foi autorizado ao Ministério da Saúde desde 2003 e mostra que falta eficiência.

Congelamento


Os números preocupam ainda mais quando se percebe que as próximas duas décadas serão de congelamento nos valores investidos, com correção apenas a partir da inflação, conforme determina a Emenda Complementar 95. Afinal, como garantir acesso universal e de qualidade daqui a 20 anos com um orçamento que é basicamente o mesmo administrado (de maneira questionável) hoje? A preocupação é de que uma precarização ainda maior do sistema público de saúde surja como resultado da equação.
SEGUROS