SIMERS encaminha ofício ao Ministério Público de Pelotas sobre desassistência na saúde

O Sindicato Médico do Rio Grande do Sul (SIMERS) protocolou na quarta-feira (12), no Ministério Público de Pelotas, ofício no qual alerta o órgão de justiça a respeito da desassistência à saúde do município causada pela administração da prefeita Paula Mascarenhas e pede investigação. No documento entregue ao MP e endereçado à promotora Rosely Azevedo Lopes, o SIMERS ressalta que já propôs à prefeita a adoção de um Plano de Cargos, Carreira e Vencimentos (PCCV), além de outras alternativas para solucionar o impasse com os servidores, mas que a inércia do Executivo pode provocar uma série de exonerações dos médicos municipários.

Além disso, no que diz respeito à infraestrutura nas unidades de saúde da cidade, o Sindicato alerta ao MP que, apesar de uma ação civil pública transitada em julgado, ainda há falta de condições básicas para o exercício da Medicina no município, como a carência de insumos, equipamentos, disponibilidade de profissionais e de plano de prevenção contra incêndios. Um dos locais mais críticos é o Centro de Especialidades Médicas, no Centro da cidade, que está com fiação elétrica exposta e não conta com elevador para pacientes cardíacos.

Encontro com a promotora

O documento entregue nesta semana é consequência do encontro que o diretor do SIMERS Willian Adami teve com a promotora Rosely no dia 27 de junho. Na ocasião, o Sindicato se comprometeu a formalizar um levantamento sobre a saúde na cidade, a partir das denúncias dos médicos. A promotora disse que iria convocar a prefeita Paula e a secretária de Saúde, Ana Costa, para uma audiência sobre o tema.

Reunião com promotora em Pelotas para discutir caos na saúde

Encontro de Adami (direita) com a promotora Rosely (centro). Foto: Divulgação/SIMERS